Seleções
Bolívia

Copa América partidas - GRUPO A
Dia Cidade Estádio Hora Partida
Terça-feira, 6/7 Lima Monumental 19:45 Peru vs. Bolívia
Sexta-feira, 9/7 Lima Nacional 17:30 Colômbia vs. Bolívia
Segunda-feira, 12/7 Trujillo Mansiche 17:30 Venezuela vs. Bolívia

Introdução


Para melhorar a imagem
por Ernesto Murillo, jornalista do jornal La Razón, de La Paz (BOL)

Tentar a sorte e melhorar a imagem do futebol boliviano. Este parece ser o plano traçado pelos dirigentes do futebol boliviano para a próxima Copa América que será disputada nos campos do Peru. A Bolívia nunca foi bem neste torneio, exceto nas ocasiões em que sediou o evento. Foi campeã invicta em 1963, considerada a grande epopéia do futebol boliviano, e foi vice-campeã em 1997 quando perdeu a final de 1-3 para o Brasil, após ter dominado o pentacampeão no jogo.

As outras participações foram insignificantes, as viagens foram só para cumprir uma agenda de convites e a equipe nunca se destacou quando jogou fora de La Paz. A equipe boliviana, que anda por baixo nas eliminatórias da Copa do Mundo, conta com seus jogadores mais experientes para enfrentar essa empreitada. Julio César Baldivieso e Juan Manuel Peña são os remanescentes daquela equipe de 1994 que disputou o Mundial dos Estados Unidos.

Bolívar, o time mais tradicional do futebol boliviano é a base da seleção, mas acaba de atravessar uma crise disciplinar que obrigou os dirigentes a abrirem mão dos serviços de quatro de seus titulares: Marco Etcheverry, José Alfredo Castilho, José Carlo Fernandez e Percy Colque. E justamente os três últimos são jogadores habituais da seleção.

A falta de renovação, a falta de trabalho nas divisões inferiores e a falta de políticas de incentivo ao futebol jogaram a Bolívia para o último o lugar no quadro sul-americano. Gatty Ribeiro e Daner Pachi aparecem como as grandes promessas, ambos de aspecto franzino, mas hábeis e velozes.

Para enfrentar esse torneio, o técnico se verá obrigado a recorrer aos experientes Oscar Sanchez e Juan Manuel Penha para reforçar a sua defesa, porém a fragilidade está no meio de campo onde não surgiram novos valores. No ataque será preciso apelar para Joaquim Botero, que joga no México onde é reserva do Los Pumas, mas ainda falta decidir sobre o seu parceiro, porque nenhum dos atacantes tem a experiência que ele tem, exceto Miguel Mercado, o artilheiro da Bolívia.

A falta de jogos amistosos, de experiência internacional e de um plano de trabalho só permitem a expectativa de uma participação pouco animadora neste torneio. O técnico e os jogadores continuam apostando nas eliminatórias, por isso não falam ainda na Copa América, que parece estar muito longe na agenda.

A Liga Profissional, que é a entidade que organiza o torneio profissional no país, não tem um espaço que permita a preparação da seleção e calcula-se que a equipe terá um período de preparação de, no máximo, duas semanas.

A dois meses deste evento o jornalista poderia arriscar esta escalação da equipe base: Sergio Galarza, Gatty Ribeiro, Juan Manuel Peña, Oscar Sánchez, Juan Carlos Sánchez e Daner Pachi, Raúls Justiniano, Carmelo Angulo, Julio César Baldivieso e Limberg Gutiérrez; Joaquín Otero e Miguel Mercado.


Informações do país
Nome Oficial República da Bolívia (Republica de Bolivia)
Capital La Paz
Maiores cidades Santa Cruz de la Sierra, Sucre, Alto e Cochabamba
Presidente Carlos Mesa (desde 2003)
População 8 586 443 (julho/2003) - (9º)*
Mortalidade infantil 56,05/1.000 (12º)*
Expectativa de vida 64.78 anos (12º)*
Analfabetismo 14,6% (12º)*
Área 1 098 581km2 (6º)*
Países vizinhos Argentina, Brasil, Chile e Paraguai
Idioma Espanhol
Moeda Boliviano (BOB).
Cotação para o dólar:
1 US$ = 8,17
(abril de 2004)
PIB US$ 7 969 milhões (2002) - (11º)*
Renda per capita 950 (em dólares) - (12º)*
Internet 120 mil usuários (11º)*.
Código bo
Hora -4 GMT